Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
PT EN FR DE ES
Página inicial > Perguntas Frequentes
Início do conteúdo da página

Perguntas frequentes

Por favor, selecione a categoria da questão

Perguntas frequentes sobre o processo seletivo para ingresso em cursos técnicos do Ifes no primeiro período letivo de 2021.

As inscrições da seleção para cursos técnicos do Ifes (PS 11/2021, PS 12/2021 e PS 13/2021) serão realizadas de 11 de janeiro a 10 de fevereiro de 2021, exclusivamente on-line.

Os campi do Ifes farão agendamento para uso de computador com acesso à internet, seguindo todos os protocolos de biossegurança, inclusive com uso obrigatório de máscara. O agendamento será feito em dias úteis e horários definidos de acordo com o cronograma divulgado no dia 8 de janeiro de 2021, na página do Ifes, no link referente ao Processo Seletivo.

Não haverá cobrança de nenhum tipo de taxa neste processo seletivo (editais 11/2021, 12/2021 e 13/2021).

O candidato deve ficar bastante atento à divulgação das datas das demais etapas do processo seletivo para não perder o cronograma de matrícula. A previsão é de que as datas das matrículas sejam divulgadas junto com o resultado da homologação das inscrições (que trará a classificação final dos candidatos, no dia 26 de fevereiro de 2021).

As inscrições, depois de feitas, não poderão ser alteradas - por exemplo, o candidato não poderá mudar a opção de curso ou a modalidade de concorrência. Caso ainda esteja aberto o período de inscrições (que vai até 10 de fevereiro de 2021), ele poderá cancelar a inscrição que não quer e realizar uma nova. Depois de encerrado o prazo, será considerada válida a última inscrição realizada no sistema.

Nos cursos técnicos concomitantes, o estudante faz somente o ensino técnico no Ifes. O candidato pode estar matriculado no ensino médio em outra escola – a concomitância pode acontecer em diferentes séries do ensino médio, dependendo do projeto pedagógico do curso. Fique atento ao que diz o edital.

São os cursos técnicos ofertados a quem já concluiu o ensino médio, independente de sua idade ou do tempo transcorrido.

Os cursos técnicos integrados ao ensino médio são aqueles oferecidos a quem já tenha concluído o ensino fundamental (do 1º ao 9º ano) no ato do requerimento da matrícula. Neles, o estudante faz o ensino médio e o técnico no Ifes, em um único curso, com o currículo integrado e interdependente. Não é possível separar a formação técnica da formação do ensino médio regular.

Sim. Porém, iniciará o curso a partir do 1º ano/período no Ifes.

São cursos voltados para quem tem 18 anos ou mais e ainda não tenha concluído o ensino médio. Neles, o estudante faz o ensino médio e técnico no Ifes em um curso único. Não é possível separar a formação técnica do ensino médio regular. Proeja significa: Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos.

A escolha de dois tipos de seleção considerou a diversidade de públicos atendidos pelos cursos integrados, concomitantes, subsequentes e do Proeja, o que tornaria a análise de histórico escolar complexa e com critérios muito diversificados.

Para os técnicos integrados, por serem ofertados a um público com características semelhantes (como idade e conclusão recente do ensino fundamental), a análise se mostrou possível.

Para os cursos concomitantes, subsequentes e Proeja, optou-se pelo sorteio devido a questões como:

1 - O fato de que os cursos concomitantes têm diferentes requisitos para ingresso, podendo a concomitância se dar em diferentes séries do ensino médio, o que demandaria uma análise curricular com critérios diversos entre os cursos.

2- Em relação aos cursos subsequentes e do Proeja, pesou a possibilidade de haver candidatos que concluíram os ensinos fundamental e médio há um prazo de tempo considerável, ou ainda utilizando recursos de equivalência, como por exemplo a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ou o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), o que tornariamais complexa e burocrática a análise.

Os cursos técnicos concomitantes e subsequentes ao ensino médio (edital PS 12/2021), bem como os cursos do Proeja (modalidade de jovens e adultos, PS 13/2021).

O sorteio será eletrônico, executado por meio de um software que ordena aleatoriamente os números usando algoritmos e cálculos matemáticos. Será feito um sorteio por curso e por campus. Três servidores serão responsáveis pelo sorteio e três serão testemunhas. O momento será gravado, e a gravação será disponibilizada on-line posteriormente.

O Ifes fornecerá depois a semente do sorteio, que é um instrumento que garante a aleatoriedade do processo e permite, inclusive, a reprodução do sorteio já feito, utilizando o mesmo programa de computador.

A classificação seguirá a ordem do sorteio, realizado aleatoriamente, e todos os que estiverem listados dentro do limite de cada reserva de vagas serão convocados para a matrícula. Os demais ficarão já ordenados na lista de suplentes e poderão ser chamados caso haja vagas remanescentes. Caso existam menos candidatos que vagas, e desde que haja o preenchimento de pelo menos 70% das vagas, todos os inscritos serão convocados.

O candidato fará a opção pela ação afirmativa a que faz jus ou pelas vagas de ampla concorrência no momento da inscrição. A classificação dos candidatos será feita entre os inscritos para cada curso/campus e tipo de ação afirmativa e ampla concorrência.

A análise de histórico escolar será feita para os cursos técnicos integrados ao ensino médio (edital do PS 11/2021).

Serão consideradas as notas finais de língua portuguesa, matemática, ciências, história e geografia, do 6º, 7º e 8º anos. O 9º ano não será considerado devido aos prazos para lançamento das notas pelas escolas de origem dos candidatos, em especial considerando a situação de pandemia.

O candidato deverá lançar já no sistema de inscrição as notas solicitadas, seguindo atentamente as orientações do Anexo 1 do edital sobre quais notas registrar, como fazer conversões e equivalências que possam ser necessárias (sem arredondamentos). Cada disciplina terá um peso diferente para o cálculo da nota final do candidato no processo seletivo do Ifes. Português e matemática têm peso 3; ciências, peso 2; e história e geografia, peso 1.

O sistema fará automaticamente a média ponderada entre as disciplinas dos três anos de ensino fundamental analisados. Pelas notas, os candidatos serão classificados em ordem decrescente.

As notas serão registradas no formato de 0,00 a 100,00. Caso o boletim ou histórico esteja com as notas de 0 a 10, o candidato deverá realizar a conversão, multiplicando a nota final de cada disciplina por 10. Para as notas do Encceja, que são dadas em escala de 0 a 180, a nota final deverá ser multiplicada por 100 e dividida por 180. O edital do PS 11/2021 também traz a tabela de equivalência para aqueles candidatos que têm conceitos em vez de notas numéricas no histórico escolar (anexo I). O candidato não deve fazer arredondamento de notas.

O candidato deverá anexar obrigatoriamente, no momento da inscrição, a cópia digitalizada do boletim escolar oficial, ou histórico escolar ou certificado de conclusão do ensino fundamental pelo Encceja (neste último caso, acompanhado de histórico escolar ou documento escolar oficial equivalente, cujo modelo está disponível no edital do PS 11/2021). O candidato deverá anexar apenas um desses documentos, conforme for fornecido por sua escola. Declarações falsas ou incorretas de dados levarão ao cancelamento da inscrição e eliminação do candidato, em qualquer fase da seleção.

O sistema de inscrição aceita o carregamento de até três arquivos comprobatórios.

Caso candidatos tenham o mesmo número de pontos pela análise do histórico, será classificado, sucessivamente, aquele que tiver a maior média ponderada do 8º ano; em seguida, a maior média do 7º; depois a maior média do 6º ano; e, por fim, o menor número de inscrição.

O candidato fará a opção pela vaga a qual deseja concorrer no momento da inscrição. A análise dos históricos escolares será feita entre os candidatos inscritos para cada tipo de ação afirmativa e ampla concorrência, em cada curso ofertado no processo seletivo.

Os cursos ofertados no processo seletivo 2021/1 são todos presenciais. Entretanto, o Ifes poderá fazer uso de estratégias flexíveis de ensino, de forma excepcional, em função da pandemia da Covid-19, para assegurar o cumprimento da carga horária e dos conteúdos previstos. A instituição já tem regulamentadas as atividades pedagógicas não presenciais (APNPs) e outros tipos de estratégias flexíveis que seguem as diretrizes do Ministério da Educação, do Conselho Nacional de Educação e dos órgãos sanitários e de saúde pública.

Diante do cenário de incerteza causado pela pandemia, a forma de oferta das atividades pedagógicas será definida posteriormente, considerando o desenrolar do cenário e o que será possível realizar sem comprometer a saúde e a segurança de estudantes e servidores.

Não. Entretanto, é possível assinalar, no momento da inscrição, uma segunda opção de curso de interesse. Esse segundo curso deverá ter a mesma forma de oferta da primeira opção do candidato (ou seja, se a primeira opção é um curso integrado ao ensino médio, a segunda também deverá ser; caso seja concomitante, a segunda opção também deve ser feita entre os cursos concomitantes; já se for subsequente, a segunda opção deve ser um curso subsequente).

O candidato vai concorrer a essa segunda opção na mesma modalidade de concorrência da primeira (ampla concorrência ou ações afirmativas/cotas). Ele será convocado se houver vagas remanescentes e, caso decida se matricular, será considerado desistente da sua primeira opção de curso.

Mesmo com duas opções, a inscrição no processo seletivo é única. Será considerada válida a última inscrição que o candidato fizer, dentro do período de inscrições previsto no edital.

Para ser um professor efetivo do Ifes, é necessário participar de concurso público composto de prova escrita, prova de títulos e prova de desempenho didático. Os editais são divulgados no site do Ifes, jornais de grande circulação e no Diário Oficial da União.
Para ingressar como Técnico-Administrativo em Educação, também é necessário prestar concurso público. A seleção se dá por meio de prova escrita e, quando couber, prova prática. Os editais são divulgados no site do Ifes, jornais de grande circulação e no Diário Oficial da União.

Para ser um professor substituto é necessário participar de processo seletivo simplificado. A seleção se dá por meio de prova de títulos e prova de desempenho didático. Os editais são divulgados no site do Ifes, jornais de grande circulação e no Diário Oficial da União.

Para ingressar como estagiário, é necessário efetuar cadastro com o agente de integração. O agente de integração contratado pelo Ifes para prestar este serviço é a Super Estágios. O cadastro pode ser feito no site www.superestagios.com.br.

Aguarde a convocação para nomeação, publicada no Diário Oficial da União (www.in.gov.br, seção 2), e providencie a documentação necessária para a posse.

Providencie a documentação necessária para a confecção do contrato e aguarde a convocação para contratação. A relação de documentos constará de documentação pessoal e titulação mínima exigida para o cargo.

Providencie a documentação necessária para a confecção do Termo de Compromisso de estágio e aguarde a convocação para contratação. A relação de documentos constará de documentação pessoal, comprovação de escolaridade, matrícula regular e exame admissional.

Auxílio-alimentação (Artigo 22 da Lei nº 8.460/1992, alterada pela Lei nº 9.527/1997); auxílio pré-escolar (Inciso IV do Art. 208 e Inciso XXV do Art. 7º da Constituição Federal, com as alterações procedidas pela Emenda Constitucional nº 53/2006); auxílio-transporte (Medida Provisória nº 2.165-36/2001); e ressarcimento de assistência à saúde (Portaria Normativa SRH/MPOG nº 5/2010).

Os servidores do Ifes hoje poderão integrar duas carreiras, a dos docentes e a dos técnico-administrativos em educação – TAE.
Docentes e técnico-administrativos poderão ter seus títulos reconhecidos e receber efeitos financeiros na forma de retribuição por titulação (RT), no caso dos docentes; e incentivo à qualificação, no caso dos TAE.
Os valores pagos irão variar de acordo com a área de conhecimento, cargo e lotação do servidor (ambiente organizacional), conforme as especificações de cada carreira. No caso dos TAE, a titulação deverá ser superior ao requisito mínimo do cargo.
Os TAE ainda podem receber progressão por capacitação e progressão por mérito. Em ambos os casos, deverão cumprir período de 18 meses de efetivo exercício, entre uma concessão e outra, incluindo a primeira.
A progressão por capacitação deverá ser requerida pelo servidor mediante participação em cursos que atendam às exigências mínimas de carga horária, área de conhecimento e coerência com as atribuições do cargo e setor de lotação (ambiente organizacional).
Já a progressão por mérito será concedida depois da aferição dos resultados das avaliações realizadas em duas etapas de 9 meses cada, nas quais o servidor se autoavalia, é avaliado por seus pares e seu setor é avaliado pelos usuários, sendo esses processos coordenados pela respectiva chefia imediata.
A progressão por desempenho acadêmico do docente será concedida depois do processo de avaliação coordenado pela chefia imediata, com a participação de outros docentes do setor de lotação do servidor avaliado, cabendo ao avaliado apresentar comprovação de participação em ações de ensino, pesquisa e extensão, inclusive regularidade ante aos processos de controle das atividades de ensino, além de eventuais participações em atividades administrativas, conforme o caso.

A política de desenvolvimento institucional do Ifes proporciona o aperfeiçoamento continuado dos servidores por meio de treinamentos internos, contratação de treinamentos in company, participação em congressos, seminários e cursos externos, conforme a área de atuação e relevância para a Administração.
Cursos de pós-graduação lato sensu e stricto sensu poderão ser viabilizados por meio de ação integrada entre a Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional – PRODI e a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação – PRPPG, mediante identificação de demanda e avaliação das necessidades de qualificação por meio da educação formal.
As ações de aperfeiçoamento e de educação formal deverão estar previstas em plano anual de capacitação, conforme previsto no Decreto nº 5.707/2006, e sujeitas ao atendimento de requisitos legais, além da disponibilidade financeiro-orçamentária.

Informações pessoais – tais como telefone, endereço, remuneração – são sigilosas (Alínea a, Inciso v, Artigo 11 da Lei nº 8.112/90). As informações como lotação; exercício de função gratificada ou cargo de direção; posicionamento na carreira; dentre outras, estão disponíveis no Portal da Transparência.

– Ter exercido magistério superior por, no mínimo, três anos.
– Ser docente do curso de licenciatura (sua indicação deverá constar de ata de coordenação ou de colegiado, com ciência do gestor de ensino e direção geral do campus de origem).
– Pertencer ao quadro efetivo da Instituição.
– Ter, no mínimo, 12 horas semanais disponíveis para as atividades do Pibid.
– Ter formação na área do subprojeto.
– Lecionar no curso de licenciatura da área do subprojeto.

– Ser brasileiro, naturalizado ou, em caso de estrangeiro, ter visto permanente no país.
– Estar em dia com as obrigações eleitorais.
– Estar regularmente matriculado em curso de licenciatura da área do subprojeto ao qual fará parte.
– Não receber bolsa de agências de fomento estaduais, municipais ou federais; exceto auxílios institucionais (alimentação, transporte e moradia).
– Ter 10 horas semanais disponíveis para as atividades do Pibid, sem, contudo, prejudicar sua vida acadêmica. Essa disponibilidade deverá ser declarada no ato da inscrição.
– Dispor-se a deslocamento com recursos financeiros próprios para as escolas participantes do projeto.
– Não ter parentesco com os coordenadores do subprojeto ou projeto institucional (até terceiro grau).
– Ser, preferencialmente, oriundo de escola pública.
– Não estar, preferencialmente, nos dois últimos semestres letivos ou último ano de integralização do curso.
– Estar apto a iniciar as atividades relativas ao projeto imediatamente depois de ser aprovado pela Capes.

Não, o acúmulo de bolsas não é permitido.

Não. Contas com operação 023 ou poupança não são permitidas, apenas contas-correntes.

Fim do conteúdo da página