Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
PT EN FR DE ES
Página inicial > Perguntas Frequentes
Início do conteúdo da página

Perguntas frequentes

Por favor, selecione a categoria da questão

Perguntas frequentes sobre o processo seletivo para ingresso em cursos técnicos do Ifes no primeiro período letivo de 2022.

As inscrições da seleção para cursos técnicos do Ifes (PS 73/2021 e PS 74/2021) serão realizadas de 8 de outubro a 2 de novembro de 2021, exclusivamente via Sistema de Inscrição On-line.

É necessário ter o CPF próprio (Cadastro de Pessoa Física) e um documento de identificação civil, além de e-mail válido, preferencialmente do candidato ou seu responsável legal, pois o e-mail será utilizado para envio de informações.

São aceitos como documentos de identificação civil: carteira de identidade (RG) expedida pelas Secretarias de Segurança Pública, ou polícias militar e federal, ou Ministério da Justiça; ou identificação fornecida por ordens ou conselhos de classes que por lei tenham validade como documento de identidade; ou Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), emitida após 27 de janeiro de 1997 (exceto no formato digital); ou passaporte; ou
Carteira Nacional de Habilitação (CNH) com fotografia; ou Identidade funcional em consonância com o Decreto nº 5.703, de 15 de fevereiro de 2006.

O candidato que NÃO POSSUIR nenhum desses documentos de identificação civil deverá indicar o número da sua Certidão de Nascimento. Posteriormente, haverá um prazo para apresentar o documento de identificação civil conforme requerido no edital. Não será aceito documento de outra pessoa, mesmo que seja o responsável legal pelo candidato.

Os campi do Ifes farão agendamento para uso de computador com acesso à internet, seguindo todos os protocolos de biossegurança, inclusive com uso obrigatório de máscara. O agendamento será feito por meio dos contatos e nos dias e horários detalhados nos próprios editais (no caso do edital 73/2021, as informações constam no Anexo VIII; para o edital 74/2021, estão no Anexo VII).

A taxa de inscrição será de R$ 50 para os candidatos às vagas de cursos técnicos integrados, concomitantes e subsequentes. Não há cobrança de taxa para concorrer às vagas do Proeja - Educação de Jovens e Adultos.

Para execução de um processo seletivo são necessários vários itens e procedimentos (obrigatórios por lei) e que demandam recursos, ainda que não exista prova. Exemplos são:

- publicações no Diário Oficial da União para ampla divulgação do edital e resultados;
- montagem de comissão organizadora para planejar, organizar e executar todo o processo seletivo, bem como tirar dúvidas e responder a casos omissos;
- sistemas de informática para que seja possível realizar as inscrições, sorteio e suporte para análise dos históricos;
- equipes específicas para realização de sorteio, análise dos históricos e de todos os recursos interpostos durante o processo;
- equipe para a análise documental de comprovação do direito à ação afirmativa (cota);
- equipe médica para análise de laudos dos candidatos que se inscreverem como pessoas com deficiência;
- equipe para fazer todas as entrevistas para verificação da autodeclaração dos candidatos que se inscreveram para as vagas de pretos, pardos e indígenas.

Em 2020 o Ifes custeou isso de forma extraordinária. Este ano, no entanto, foi necessário retornar com a taxa de inscrição.

Estudantes de escola pública permanecem tendo direito de solicitar a isenção de taxa. Os candidatos para as vagas da educação para jovens e adultos (Proeja) têm gratuidade na inscrição.

A isenção da taxa pode ser pedida, entre os dias 8 e 27 de outubro (prazo prorrogado), por candidatos que tenham estudado as duas últimas séries do Ensino Fundamental em escola pública ou que tenham estudado em escola particular como aluno bolsista (bolsa integral) em função de carência socioeconômica. Ou ainda por aqueles que tenham feito curso equivalente (supletivo, por exemplo) em estabelecimento da rede pública de ensino, com aprovação final até a data da matrícula. Não há cobrança para concorrer às vagas do Proeja.

O resultado da solicitação de isenção da taxa de inscrição será divulgado no Sistema de Inscrição on-line. O candidato deve acompanhar todas as etapas e, caso não obtenha a isenção, deverá observar os prazos para pagar a taxa e continuar no processo seletivo. O não pagamento levará ao cancelamento de sua inscrição.

As inscrições, depois de feitas, não podem ser alteradas totalmente – por exemplo, o candidato não pode mudar o CPF, a opção de curso ou a modalidade de concorrência. Outros dados secundários podem ser atualizados durante o período de inscrições, na área do candidato. Para alterar opção de curso ou modalidade de concorrência é necessário cancelar a inscrição que não quer e realizar uma nova. Atente-se que a nova inscrição solicitará novo pagamento, não é possível utilizar o pagamento do boleto anterior. Depois de encerrado o prazo, será considerada válida a última inscrição realizada no sistema.

Nos cursos técnicos concomitantes, o estudante faz somente o ensino técnico no Ifes. O candidato pode estar matriculado no ensino médio em outra escola – a concomitância pode acontecer em diferentes séries do ensino médio, dependendo do projeto pedagógico do curso. Fique atento ao que diz o edital.

São os cursos técnicos ofertados a quem já concluiu o ensino médio, independente de sua idade ou do tempo transcorrido.

Os cursos técnicos integrados ao ensino médio são aqueles oferecidos a quem já tenha concluído o ensino fundamental (do 1º ao 9º ano) no ato do requerimento da matrícula. Neles, o estudante faz o ensino médio e o técnico no Ifes, em um único curso, com o currículo integrado e interdependente. Não é possível separar a formação técnica da formação do ensino médio regular.

Sim. Porém, iniciará o curso a partir do 1º ano/período no Ifes.

São cursos voltados para quem tem 18 anos ou mais e ainda não tenha concluído o ensino médio. Neles, o estudante faz o ensino médio e técnico no Ifes em um curso único. Não é possível separar a formação técnica do ensino médio regular. Proeja significa: Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos.

A escolha de dois tipos de seleção considerou a diversidade de públicos atendidos pelos cursos integrados, concomitantes, subsequentes e do Proeja, o que tornaria a análise de histórico escolar complexa e com critérios muito diversificados.

Para os técnicos integrados, por serem ofertados a um público com características semelhantes (como idade e conclusão recente do ensino fundamental), a análise se mostrou possível.

Para os cursos concomitantes, subsequentes e Proeja, optou-se pelo sorteio devido a questões como:

1 - O fato de que os cursos concomitantes têm diferentes requisitos para ingresso, podendo a concomitância se dar em diferentes séries do ensino médio, o que demandaria uma análise curricular com critérios diversos entre os cursos.

2- Em relação aos cursos subsequentes e do Proeja, pesou a possibilidade de haver candidatos que concluíram os ensinos fundamental e médio há um prazo de tempo considerável, ou ainda utilizando recursos de equivalência, como por exemplo a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ou o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), o que tornaria mais complexa e burocrática a análise.

Os cursos técnicos concomitantes e subsequentes ao ensino médio e os cursos do Proeja (educação de jovens e adultos), todos ofertados por meio do edital 74/2021.

O sorteio será eletrônico, executado por meio de um software que ordena aleatoriamente os números usando algoritmos e cálculos matemáticos. Será feito um sorteio por curso e por campus. Três servidores serão responsáveis pelo sorteio e três serão testemunhas. O momento será gravado, e a gravação será disponibilizada on-line posteriormente.

O Ifes fornecerá depois a semente do sorteio, que é um instrumento que garante a aleatoriedade do processo e permite, inclusive, a reprodução do sorteio já feito, utilizando o mesmo programa de computador.

A classificação seguirá a ordem do sorteio, realizado aleatoriamente, e todos os que estiverem listados dentro do limite de cada reserva de vagas serão convocados para a matrícula. Os demais ficarão já ordenados na lista de suplentes e poderão ser chamados caso haja vagas remanescentes. Caso existam menos candidatos que vagas, e desde que haja o preenchimento de pelo menos 70% das vagas, todos os inscritos serão convocados.

O candidato fará a opção pela ação afirmativa a que faz jus ou pelas vagas de ampla concorrência no momento da inscrição. A classificação dos candidatos será feita entre os inscritos para cada curso/campus e tipo de ação afirmativa e ampla concorrência.

A análise de histórico escolar será feita para os cursos técnicos integrados ao ensino médio (edital do PS 73/2021).

Serão consideradas as notas finais de língua portuguesa, matemática, ciências, história e geografia, do 6º, 7º e 8º anos. O 9º ano não será considerado devido aos prazos para lançamento das notas pelas escolas de origem dos candidatos.

O candidato deverá lançar já no sistema de inscrição as notas finais das disciplinas, seguindo atentamente as orientações do Anexo I do edital 73/2021. O edital traz as orientações para fazer a conversão das notas para o formato requerido, caso estejam diferentes - inclusive se estiverem atribuídas como conceitos em vez de números.

Se o candidato não tiver a nota final em um dos anos pedidos, deverá utilizar as notas finais dos dois anos que constarem no seu documento e fazer a média simples, para cada disciplina.

Cada disciplina terá um peso diferente para o cálculo da nota final do candidato no processo seletivo do Ifes. Português e matemática têm peso 3; ciências, peso 2; e história e geografia, peso 1. O sistema fará automaticamente a média ponderada entre as disciplinas dos três anos de ensino fundamental analisados. Pelas notas, os candidatos serão classificados em ordem decrescente.

Primeiramente, é preciso que o candidato leia atentamente as orientações do Anexo I do edital 73/2021. Conforme detalhado no documento, as notas serão registradas no formato de 0,00 a 100,00. Caso o boletim ou histórico esteja com as notas de 0 a 10, o candidato deverá realizar a conversão, multiplicando a nota final de cada disciplina por 10. Para as notas do Encceja, que são dadas em escala de 0 a 180, a nota final deverá ser multiplicada por 100 e dividida por 180.

Se o histórico escolar ou documento oficial equivalente apresentar conceitos em vez de números como forma de expressar a média, o candidato deverá solicitar na instituição de ensino que emitiu o documento, o preenchimento da declaração constante no Anexo II, convertendo para nota numérica (no formato 0,00 a 100,00).

Caso não obtenha o documento oficial de conversão para nota numérica (0,00 a 100,00), o candidato deverá seguir os critérios previstos no Anexo I para conversão de conceitos em notas. O candidato não deve fazer arredondamento de notas.

O comprovante de inscrição deverá ser impresso ou salvo pelo candidato. Ele terá, além das informações pessoais e número de inscrição, as notas alimentadas no Sistema de Inscrição e, portanto, deverá ser guardado para fins de comprovação em casos de recursos ou outras demandas.

O candidato deverá anexar obrigatoriamente, no momento da inscrição, a cópia digitalizada do boletim escolar oficial, ou histórico escolar ou certificado de conclusão do ensino fundamental pelo Encceja ou documento equivalente (conforme modelo do edital 73/2021). O candidato deverá anexar apenas um desses documentos, conforme for fornecido por sua escola. Declarações falsas ou incorretas de dados levarão ao cancelamento da inscrição e eliminação do candidato, em qualquer fase da seleção.

Não serão aceitos documentos rasurados, ilegíveis ou incompletos.

Os candidatos com documentação que difere das possibilidades apresentadas no edital devem contatar a Comissão Central do Processo Seletivo, dentro do período de inscrições, por meio do e-mail: processoseletivo@ifes.edu.br , anexando cópia legível digitalizada do Histórico Escolar ou documento escolar oficial equivalente para análise e orientações para a realização da inscrição.

Caso candidatos tenham o mesmo número de pontos pela análise do histórico, será classificado, sucessivamente, aquele que tiver a maior média ponderada do 8º ano; em seguida, a maior média do 7º; depois a maior média do 6º ano.

O candidato fará a opção pela vaga a qual deseja concorrer no momento da inscrição. A análise dos históricos escolares será feita entre os candidatos inscritos para cada tipo de ação afirmativa e ampla concorrência, em cada curso ofertado no processo seletivo.

Apenas um curso ofertado no processo seletivo 2022/1 é a distância (o Curso Técnico Subsequente em Multimeios Didáticos, ofertado no edital 74/2021). Todos os demais são presenciais. Entretanto, o Ifes poderá fazer uso de estratégias flexíveis de ensino, de forma excepcional, em função da pandemia da Covid-19, para assegurar o cumprimento da carga horária e dos conteúdos previstos. A instituição já tem regulamentadas as atividades pedagógicas não presenciais (APNPs) e outros tipos de estratégias flexíveis que seguem as diretrizes do Ministério da Educação, do Conselho Nacional de Educação e dos órgãos sanitários e de saúde pública.

Não. Entretanto, é possível assinalar, no momento da inscrição, uma segunda opção de curso de interesse. Esse segundo curso deverá ter a mesma forma de oferta da primeira opção do candidato (ou seja, se a primeira opção é um curso integrado ao ensino médio, a segunda também deverá ser; caso seja concomitante, a segunda opção também deve ser feita entre os cursos concomitantes; já se for subsequente, a segunda opção deve ser um curso subsequente).

O candidato vai concorrer a essa segunda opção na mesma modalidade de concorrência da primeira (ampla concorrência ou ações afirmativas/cotas). Ele será convocado se houver vagas remanescentes e, caso decida se matricular, será considerado desistente da sua primeira opção de curso.

Mesmo com duas opções, a inscrição no processo seletivo é única. Será considerada válida a última inscrição que o candidato fizer, dentro do período de inscrições previsto no edital.

O histórico escolar pode ser usado para comprovar as notas do 6º ao 8º ano, no caso de inscrição para os cursos técnicos integrados. Quem não tem o histórico, pode utilizar os demais documentos citados no edital para essa comprovação e depois utilizar o histórico escolar completo para efetuar a matrícula.

Temos internato nos campi de Alegre, Itapina e Santa Teresa. Para conseguir uma vaga, é necessário ser estudante do Ifes e participar de processo seletivo interno do próprio campus.

O Ifes tem política de assistência estudantil com programas que ofertam auxílios como moradia, transporte e alimentação. A oferta desses auxílios é organizada de acordo com as demandas de cada campus. Para solicitar é necessário já ser estudante do Ifes e participar de processo seletivo interno do próprio campus.

Depois do resultado final, significa que você foi classificado dentro do número de vagas disponíveis para o seu curso e que você pode efetuar a matrícula. Atente-se aos prazos de matrícula definidos em edital.

Há chances depois do período de matrícula dos classificados, pois os suplentes são chamados em caso de não preenchimento de todas as vagas do curso. Por isso, a chamada de suplentes é feita por cada campus, de acordo com as vagas disponíveis. Atente-se às chamadas publicadas na página do edital.

Alguns campi realmente entram em contato com os suplentes por este canal. Para confirmar se a mensagem é verdadeira, verifique se foi publicada na página do edital chamada de suplentes do seu campus com o seu nome. Você também pode confirmar se o número de telefone que enviou a mensagem está presente no edital como contato do campus para o qual está concorrendo a vaga.

Quem não tem a nota do 8º ano deve inserir a média das notas do 6º e 7º ano em cada disciplina. Por exemplo, se o candidato tirou 100 em Português no 6º ano e 80 no 7º ano, a nota dele será 90 no 8º ano. Confira o Anexo I do edital para mais informações e exemplos.

Não temos uma média de corte, já que depende dos candidatos em cada modalidade de concorrência. São ordenados todos os candidatos por ordem de nota em cada modalidade, sendo aprovados (classificados) aqueles que ficam dentro da quantidade de vagas do curso e os demais como suplentes.

Perguntas frequentes sobre as ações afirmativas (cotas) no processo seletivo para ingresso em cursos técnicos do Ifes no primeiro período letivo de 2022.

As Ações Afirmativas são políticas públicas que visam combater as desigualdades, de forma que não se mantenham grupos marginalizados e grupos elitizados na sociedade. São voltadas à concretização do princípio constitucional da igualdade e dirigidas aos grupos discriminados no passado ou no presente, de modo a combater não apenas situações flagrantes de discriminação, mas também a desigualdade enraizada na estrutura social.

Dentre as inúmeras ações afirmativas possíveis de serem adotadas pelas instituições estão as vagas reservadas nos processos seletivos de ingresso, ou seja, as chamadas cotas. O Ifes atende à Lei Nº 12.711/2012 que define a forma de distribuição destas cotas, garantindo portanto, os percentuais de vagas PPI (pretos, pardos e indígenas) em todas as suas seleções.

Somente pessoa autodeclarada preta, parda ou indígena.

Não. A autodeclaração é o ponto de partida legítimo para que a pessoa se identifique como pertencente a esse grupo. Entretanto, é necessário que a autodeclaração seja confirmada pelo procedimento de heteroidentificação, realizado em atendimento às normas.

Também chamado de procedimento complementar de verificação da autodeclaração, a heteroidentificação é a identificação por terceiros da condição autodeclarada. É uma etapa do processo seletivo, realizada por comissão específica, chamada de Comissão Local de Verificação da Autodeclaração (CLVA).

Análise do fenótipo. De acordo com a Resolução CS Ifes Nº 61/2019, para análise de candidatos negros (pretos e pardos): “serão considerados, tão somente, os aspectos fenotípicos da/o candidata/o e não a ascendência”. O que significa que a Comissão não considera a constituição genética e o parentesco. Os candidatos negros deverão passar por entrevista de heteroidentificação feita pela Comissão Local de Verificação da Autodeclaração (CLVA) do processo seletivo.

O conceito de fenótipo está relacionado com as características externas, morfológicas, fisiológicas dos indivíduos, ou seja, o fenótipo determina a aparência do indivíduo (em sua maioria, aspectos visíveis), resultante da interação do meio e de seu conjunto de genes (genótipo). Exemplos de fenótipo são o formato dos olhos, a tonalidade da pele, cor e textura do cabelo, dentre outros. No caso da avaliação de PPI, a comissão utilizará, exclusivamente, o critério fenotípico, isto é: traços físicos que demonstrem a percepção social sobre o candidato preto ou pardo.

Análise documental. De acordo com a Resolução CS Ifes Nº 61/2019, a verificação de candidatos indígenas será “por meio da análise documental” da “declaração de sua respectiva comunidade sobre sua condição de pertencimento étnico, assinada pelo Cacique ou Vice-cacique e mais duas lideranças reconhecidas”, além da “declaração da Fundação Nacional do Índio (Funai) que a/o estudante indígena reside em comunidade indígena ou comprovante de residência em comunidade indígena.”

Não. Todos os documentos devem ser anexados no sistema de inscrição on line do Processo Seletivo.

A comissão responsável pela verificação da autodeclaração é composta por três servidores do Ifes, atendendo obrigatoriamente, aos critérios de representatividade, capacitação e diversidade previstos na Resolução CS Ifes N.º 61/2019, garantindo que seus membros sejam distribuídos por gênero, raça/cor/etnia e, quando possível, naturalidade.

A entrevista é um momento individual e bastante breve, em que o candidato responderá às perguntas que buscam saber como ele se autodeclara e o porquê. Preferencialmente, a entrevista ocorrerá no formato presencial, podendo acontecer em caráter excepcional, no formato de videoconferência. Independente do formato, a entrevista sempre será gravada em áudio e vídeo.

Sim, em virtude da Covid-19 e da suspensão das atividades presenciais pelo Conselho Superior do Ifes, o procedimento de heteroidentificação está ocorrendo, em caráter excepcional, no formato de videoconferência, respeitando-se as orientações e protocolos de segurança vigentes.

O candidato que não tiver acesso poderá solicitar a disponibilização do material e do espaço para a realização da entrevista através do Sistema de Inscrição, no item referente a atendimento especial, evidenciando no campo “outro”, suas demandas. Lembrando que esta solicitação deve ser feita dentro do prazo previsto no cronograma divulgado no endereço eletrônico do processo seletivo.

Sim. Havendo impossibilidade de conexão ao início da entrevista, decorrente de falha oriunda do equipamento ou da conexão da parte da/o candidata/o, a mesma será cancelada após 03 (três) tentativas, ficando a entrevista classificada como um caso de ausência da/o candidata/o, implicando automaticamente na eliminação do processo seletivo.

O candidato poderá interpor recurso contra o resultado, uma única vez, conforme procedimentos e prazos a serem descritos no edital.

Não. Todos os recursos são encaminhados para a Comissão Permanente de Verificação da Autodeclaração (CPVA) que constituirá uma Comissão Recursal específica para cada processo seletivo, sendo, esta comissão recursal composta por três servidores que não participaram da entrevista do candidato. A Comissão Recursal poderá manter, ou não, a decisão da Comissão de Verificação (CLVA).

Não. A Comissão Recursal analisará a gravação da entrevista do requerente.

A/O candidata/o terá sua autodeclaração indeferida quando:
I. Não preencher corretamente o formulário de autodeclaração;
II. Recusar-se a seguir as orientações da Comissão de Verificação (CLVA);
III. Para candidatas/os autodeclaradas/os negras/os (pretas/os ou pardas/os):
a) Não comparecer à entrevista em dia, horário e local determinados, conforme convocação, munido de documento oficial de identificação civil com foto;
b) Não for constatada, de maneira unânime pela CLVA, a presença das características fenotípicas;
c) Quando convocada/o para entrevista e na ocasião desta, recusar-se a ser filmada/o.
IV – Para candidatos autodeclarados indígenas:
a) Não apresentar os documentos exigidos.
V – Utilizar-se de meios fraudulentos que dificultem a verificação da veracidade da autodeclaração

Sim. Se for mantida a decisão da Comissão de Verificação (CLVA) quanto ao indeferimento, o candidato não terá homologada sua solicitação de matrícula e perderá o direito à vaga.

Sim. No caso de menor de 18 anos, o responsável legal deverá estar presente na entrevista, na condição de observador. O candidato menor de 18 anos que se apresentar na entrevista sem um responsável legal terá garantido o direito de ser acompanhado por um servidor indicado pelo Ifes.

É muito importante que a/o candidata/o fique atenta/o ao ambiente da gravação, que tenha uma boa iluminação a fim de não comprometer a visualização por parte da Comissão. Também é recomendável que a/o candidata/o use roupas sem estampas bem como não poderá usar boné, chapéu ou qualquer outro acessório que dificulte a verificação do seu fenótipo, prejudicando seu procedimento de heteroidentificação.
Orientamos ainda que não esteja maquiada(o) para não causar à comissão algum tipo de dúvida, podendo inclusive levar ao indeferimento da verificação.
Cheque todos os seus equipamentos, teste a câmera e o áudio, assim como também a estabilidade de sua rede. A/O candidata/o deve possuir computador desktop ou notebook com: sistema operacional Windows 7 ou superior, Linux ou Mac OS X ou superior; webcam; microfone; caixas de som ou fone de ouvido; conexão com velocidade mínima de 512 Kbps; software Adobe Flash Player (disponível em https://get.adobe.com/br/flashplayer/); em suas últimas versões navegadores Google Chrome, Opera, Mozilla Firefox, Safari ou Microsoft Edge. A/O candidata/o, caso prefira, também poderá utilizar aparelho Smartphone.

Para ser um professor efetivo do Ifes, é necessário participar de concurso público composto de prova escrita, prova de títulos e prova de desempenho didático. Os editais são divulgados no site do Ifes, jornais de grande circulação e no Diário Oficial da União.
Para ingressar como Técnico-Administrativo em Educação, também é necessário prestar concurso público. A seleção se dá por meio de prova escrita e, quando couber, prova prática. Os editais são divulgados no site do Ifes, jornais de grande circulação e no Diário Oficial da União.

Para ser um professor substituto é necessário participar de processo seletivo simplificado. A seleção se dá por meio de prova de títulos e prova de desempenho didático. Os editais são divulgados no site do Ifes, jornais de grande circulação e no Diário Oficial da União.

Para ingressar como estagiário, é necessário efetuar cadastro com o agente de integração. O agente de integração contratado pelo Ifes para prestar este serviço é a Super Estágios. O cadastro pode ser feito no site www.superestagios.com.br.

Aguarde a convocação para nomeação, publicada no Diário Oficial da União (www.in.gov.br, seção 2), e providencie a documentação necessária para a posse.

Providencie a documentação necessária para a confecção do contrato e aguarde a convocação para contratação. A relação de documentos constará de documentação pessoal e titulação mínima exigida para o cargo.

Providencie a documentação necessária para a confecção do Termo de Compromisso de estágio e aguarde a convocação para contratação. A relação de documentos constará de documentação pessoal, comprovação de escolaridade, matrícula regular e exame admissional.

Auxílio-alimentação (Artigo 22 da Lei nº 8.460/1992, alterada pela Lei nº 9.527/1997); auxílio pré-escolar (Inciso IV do Art. 208 e Inciso XXV do Art. 7º da Constituição Federal, com as alterações procedidas pela Emenda Constitucional nº 53/2006); auxílio-transporte (Medida Provisória nº 2.165-36/2001); e ressarcimento de assistência à saúde (Portaria Normativa SRH/MPOG nº 5/2010).

Os servidores do Ifes hoje poderão integrar duas carreiras, a dos docentes e a dos técnico-administrativos em educação – TAE.
Docentes e técnico-administrativos poderão ter seus títulos reconhecidos e receber efeitos financeiros na forma de retribuição por titulação (RT), no caso dos docentes; e incentivo à qualificação, no caso dos TAE.
Os valores pagos irão variar de acordo com a área de conhecimento, cargo e lotação do servidor (ambiente organizacional), conforme as especificações de cada carreira. No caso dos TAE, a titulação deverá ser superior ao requisito mínimo do cargo.
Os TAE ainda podem receber progressão por capacitação e progressão por mérito. Em ambos os casos, deverão cumprir período de 18 meses de efetivo exercício, entre uma concessão e outra, incluindo a primeira.
A progressão por capacitação deverá ser requerida pelo servidor mediante participação em cursos que atendam às exigências mínimas de carga horária, área de conhecimento e coerência com as atribuições do cargo e setor de lotação (ambiente organizacional).
Já a progressão por mérito será concedida depois da aferição dos resultados das avaliações realizadas em duas etapas de 9 meses cada, nas quais o servidor se autoavalia, é avaliado por seus pares e seu setor é avaliado pelos usuários, sendo esses processos coordenados pela respectiva chefia imediata.
A progressão por desempenho acadêmico do docente será concedida depois do processo de avaliação coordenado pela chefia imediata, com a participação de outros docentes do setor de lotação do servidor avaliado, cabendo ao avaliado apresentar comprovação de participação em ações de ensino, pesquisa e extensão, inclusive regularidade ante aos processos de controle das atividades de ensino, além de eventuais participações em atividades administrativas, conforme o caso.

A política de desenvolvimento institucional do Ifes proporciona o aperfeiçoamento continuado dos servidores por meio de treinamentos internos, contratação de treinamentos in company, participação em congressos, seminários e cursos externos, conforme a área de atuação e relevância para a Administração.
Cursos de pós-graduação lato sensu e stricto sensu poderão ser viabilizados por meio de ação integrada entre a Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional – PRODI e a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação – PRPPG, mediante identificação de demanda e avaliação das necessidades de qualificação por meio da educação formal.
As ações de aperfeiçoamento e de educação formal deverão estar previstas em plano anual de capacitação, conforme previsto no Decreto nº 5.707/2006, e sujeitas ao atendimento de requisitos legais, além da disponibilidade financeiro-orçamentária.

Informações pessoais – tais como telefone, endereço, remuneração – são sigilosas (Alínea a, Inciso v, Artigo 11 da Lei nº 8.112/90). As informações como lotação; exercício de função gratificada ou cargo de direção; posicionamento na carreira; dentre outras, estão disponíveis no Portal da Transparência.

– Ter exercido magistério superior por, no mínimo, três anos.
– Ser docente do curso de licenciatura (sua indicação deverá constar de ata de coordenação ou de colegiado, com ciência do gestor de ensino e direção geral do campus de origem).
– Pertencer ao quadro efetivo da Instituição.
– Ter, no mínimo, 12 horas semanais disponíveis para as atividades do Pibid.
– Ter formação na área do subprojeto.
– Lecionar no curso de licenciatura da área do subprojeto.

– Ser brasileiro, naturalizado ou, em caso de estrangeiro, ter visto permanente no país.
– Estar em dia com as obrigações eleitorais.
– Estar regularmente matriculado em curso de licenciatura da área do subprojeto ao qual fará parte.
– Não receber bolsa de agências de fomento estaduais, municipais ou federais; exceto auxílios institucionais (alimentação, transporte e moradia).
– Ter 10 horas semanais disponíveis para as atividades do Pibid, sem, contudo, prejudicar sua vida acadêmica. Essa disponibilidade deverá ser declarada no ato da inscrição.
– Dispor-se a deslocamento com recursos financeiros próprios para as escolas participantes do projeto.
– Não ter parentesco com os coordenadores do subprojeto ou projeto institucional (até terceiro grau).
– Ser, preferencialmente, oriundo de escola pública.
– Não estar, preferencialmente, nos dois últimos semestres letivos ou último ano de integralização do curso.
– Estar apto a iniciar as atividades relativas ao projeto imediatamente depois de ser aprovado pela Capes.

Não, o acúmulo de bolsas não é permitido.

Não. Contas com operação 023 ou poupança não são permitidas, apenas contas-correntes.

Fim do conteúdo da página