Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > Pesquisadores do Ifes estudam uso ecológico de resíduos industriais para fabricação de materiais de construção
Início do conteúdo da página

Pesquisadores do Ifes estudam uso ecológico de resíduos industriais para fabricação de materiais de construção

Publicado: Quarta, 04 de Setembro de 2019, 17h56 | Última atualização em Quarta, 04 de Setembro de 2019, 18h57

Grupo do Campus Vitória investiga como inserir pó de vidro e outros resíduos como compostos de cimentos e cerâmicas.

Um grupo de pesquisadores do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) das áreas de Metalurgia e Materiais e Edificações vem trabalhando para identificar o potencial de incorporar resíduos industriais poluentes das indústrias de aço, celulose, vidros, mármore e granito em materiais da construção civil, como cerâmica e cimento.

A pesquisadora Viviana Possamai Della Sagrillo, do Ifes – Campus Vitória, coordena o grupo que vem desenvolvendo trabalhos neste sentido há 10 anos. Eles identificaram os principais tipos de resíduos dos processos industriais em operação no Espírito Santo e passaram a buscar soluções criativas para sua destinação.
Atualmente, existem dois projetos recém-iniciados pelo grupo: um selecionado em edital do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), para produção de material cimentante; e outro com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), que pesquisa alternativas na composição da cerâmica vermelha, utilizada para fabricar tijolos e lajotas.

O projeto selecionado pelo CNPq, conforme relata a professora, ainda está numa fase bastante preliminar, de estudo teórico, e trabalha com a perspectiva de aproveitar resíduos das indústrias siderúrgica e de celulose. A equipe aguarda o aporte financeiro do CNPq, que ainda não ocorreu, para iniciar os testes.

Já o projeto da cerâmica está na fase de aquisição dos equipamentos a serem usados, como estufa, moldes para produzir as peças e uma prensa para realizar os testes no material. O seu objetivo é inserir na massa argilosa utilizada para fabricação da cerâmica vermelha os seguintes resíduos: pó proveniente do corte e lapidação de vidro comum (denominado sodo-cálcico); resíduo de coqueria; e resíduos do beneficiamento de rochas ornamentais.

A professora Viviana explica que serão feitas várias misturas argilosas com esses resíduos, com concentrações diferentes de cada um. A partir disso, serão fabricados corpos de prova que terão sua resistência mecânica medida e avaliada de acordo com normas técnicas. A ideia é que, desse ponto em diante, seja feita uma parceria com alguma empresa para aplicação em escala semi-industrial.

Segundo ela, uma das suas orientandas no Mestrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais, Lorena Raphael Rodrigues, já obteve resultados promissores em relação à cerâmica vermelha, utilizando um composto a base de resíduo de vidro e celulose que substituiu parte da matéria-prima argilosa (fotos ao final do texto). Outros trabalhos de iniciação científica apontaram o potencial de uso de resíduos siderúrgicos e de celulose para a produção de materiais de construção. “Essas substituições são positivas do ponto de vista ambiental, pois reduziriam a exploração de matérias-primas, bem como a disposição desses resíduos industriais em aterros”, explicou a professora.

A parceria com empresas para o teste em maior escala tem demonstrado ser o maior desafio para os trabalhos tanto do grupo de pesquisa quanto dos alunos do mestrado, relata Viviana, já que a substituição de matérias-primas como areia e argila, que ainda são facilmente encontradas e têm custo mais baixo, parece despertar o interesse de poucos. Entretanto, a pesquisadora ressalta que a reutilização é o futuro.

Além de Viviana, a equipe de pesquisadoras é composta por Alessandra Savazzini dos Reis, Georgia Serafim Araújo, Desilvia Machado Louzada e Carla Therezinha Dalvi Borjaille Alledi.

Veja fotos das provas de cerâmica vermelha com resíduos de vidro e celulose antes e depois da queima:

 

provas vidros celulose

ceramica_queima

 

Veja outras reportagens sobre pesquisas realizadas no Ifes:

Projeto do Campus Ibatiba estuda como acelerar o crescimento de árvores para recuperação de áreas de pastagem

Pesquisadores do Ifes investigam como altitude e posição do fruto no pé influenciam no sabor do café do Caparaó

Resíduos da produção de vinho e café são alvos de pesquisas para gerar mais produtividade no campo

registrado em:
Assunto(s): cimento , pesquisa , resíduos , cerâmica
Fim do conteúdo da página